Epidemia de coronavírus coloca o mundo em alerta

coronavírus

O coronavírus é a mais nova ameaça mundial; a infecção tem preocupado a população em todos os continentes.

No fim de janeiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que os casos do novo coronavírus 2019 n-CoV – nome científico da doença – são uma emergência de saúde pública de interesse internacional e, dessa forma, elevou a avaliação de risco de moderado para elevado. Desde o dia 21 do mês, a entidade tem divulgado relatórios diários sobre a doença.

Inicialmente, ele era encontrado em animais; a transmissão da doença para o ser humano foi feita por meio do consumo da carne crua desses animais. A chamada transmissão inter-humana, de forma geral, se dá por contato próximo de pessoa a pessoa. O Ministério da Saúde define essa proximidade como: “Qualquer indivíduo que cuidou do paciente, incluindo profissionais de saúde ou membro da família; que tenha tido contato físico com o paciente; tenha permanecido no mesmo local que o enfermo (ex.: morado junto ou visitado)”.

Até o fim de janeiro, tinham sido confirmados 7.818 casos de coronavírus pelo mundo, sendo que, 7.736 foram retificados na China, país onde começou a epidemia. No Brasil, 12 casos tinham sido classificados então como suspeitos. Os doentes ou com suspeita da doença tiveram febre seguida de algum sinal ou sintoma respiratório, e tinham em algum momento recente passado pela região de transmissão do coronavírus, a China. Em casos mais graves, foram identificadas síndrome respiratória aguda e insuficiência renal.

 

Nada de pânico

Segundo o infectologista do Hospital das Clínicas, o Prof. Dr. Marcos Boulos, os brasileiros precisam ficar atentos, mas não é preciso entrar em pânico com a atual situação. “A possibilidade de transmitir o coronavírus é muito pequena, assim como a gravidade se comparado ao H1N1, H3N2 e outros vírus que contagiam os brasileiros todos os anos. É algo preocupante para os chineses e para quem viaja para aquele país, porém a probabilidade de as pessoas infectadas transmitirem a doença é bem pequena, pois não tem potencial de grande transmissibilidade”, afirma.

O contágio do coronavírus entre os humanos acontece pelo ar, por meio de tosse e espirros da pessoa contaminada. Ainda não há um tratamento específico para a doença, nem uma vacina para combater o vírus.

Confira, no vídeo, informações completas sobre o vírus, concedidas pelo Dr. Boulos: