Área de Cuidados Paliativos lança Manual de Falências Orgânicas

falências orgânicas

Já fizemos aqui no blog da EEP uma apresentação da área de Cuidados Paliativos do HCFMUSP. Acima de tudo, é preciso compreender que é uma área que trata da vida, e não da morte – apesar de lidar com sua iminência constantemente. Agora, o setor inova ao lançar um manual para o médico residente focado em falências orgânicas.

“Acredito ser um material ousado e inovador – aqui no Brasil, não conhecemos, em nossa área, um livro que foque só em falências orgânicas. Esta obra reflete muito do que somos; recebemos aqui no HC pessoas com todo tipo de diagnóstico, e as falências orgânicas estão nesse contexto”, afirma Dra. Juraci Aparecida Rocha, médica assistente do Núcleo Técnico-Científico em Cuidados Paliativos do HCFMUSP.

Ela considera ser papel do HCFMUSP promover a disseminação de  informações diferenciadas e experiências vivenciadas neste centro formador: “Estamos em uma instituição de ponta; temos que assumir nossa responsabilidade de tentar replicar o que fazemos aqui, atender esse chamamento, promover o conhecimento no Brasil todo. Estamos muito atrasados na área de  cuidados paliativos em nosso país, e o HC é uma das referências neste cenário. Por isso, devemos passar esse conhecimento e experiência adiante”, defende.

Em sua origem, cuidados paliativos abordava apenas pacientes oncológicos; com o tempo, esse atendimento se estendeu a outras áreas, como a geriatria, e passou a cobrir também pacientes com doenças crônicas avançadas, que precisassem de suporte e de conforto no processo de adoecimento.

No entanto, as falências orgânicas sempre geram discussões mais pontuais ou emblemáticas: “Por vezes, o próprio colega médico tem dificuldade em identificar se aquele paciente necessita de cuidados paliativos. No caso de um câncer ou de uma doença degenerativa, você consegue rastrear a história natural dessas patologias e estabelecer prognóstico e definir plano terapêutico e de cuidados junto ao paciente e seus familiares. Mas diante de uma insuficiência cardíaca ou um enfisema pulmonar, é mais difícil identificar os limites da falência terapêutica; ao longo da vida, um paciente pode ter várias descompensações, ficar internado, se recuperar e voltar pra casa”, explica a Dra. Juraci. “A dúvida do profissional de saúde, muitas vezes, é reconhecer quando esse paciente perdeu a possibilidade de tratamento modificador de doença e se encontra no final da vida”, completa.

Ainda, é preciso considerar a dificuldade na conversa com familiares quando esse paciente não tem resposta terapêutica; sempre há desconforto ao ter que receber a notícia de que aquela pode ser sua última internação.

 

Manual é lançado este mês

A vasta experiência dos profissionais do HC em lidar com pacientes nessas condições fez nascer o primeiro Simpósio de Cuidados Paliativos, que teve as falências orgânicas como tema principal. A partir dele, o Dr. Ricardo Tavares de Carvalho, coordenador do Núcleo, solicitou que a equipe redigisse seu conteúdo, frisando a experiência local, um diferencial na obra.

O lançamento do manual será em 29 de novembro, às 16h, durante o II Congresso de Cuidados Paliativos, no Centro de Convenções Frei Caneca – estande da Sociedade ANCP. A obra é da Editora Atheneu e estará disponível para venda na sequência.

Para 2020, está planejada uma nova edição do Simpósio, no segundo semestre – mais informações em breve.