Ouvir a música que você gosta pode fazer seu cérebro liberar dopamina

dopamina

Segundo um estudo, publicado no Proceedings of National Academy of Sciences, a dopamina – um neurotransmissor que desempenha importante papel na função cognitiva, emocional e comportamental do ser humano – possui relação direta com a experiência de recompensa induzida pela música.

“O estudo mostra, pela primeira vez, um papel causal da dopamina no prazer e motivação musical: desfrutar de uma peça musical, obter prazer dela, querer ouvi-la novamente e estar disposto a gastar dinheiro com ela, depende fortemente da dopamina lançada em nossas sinapses”,  disse a autora do estudo, Laura Ferreri, professora associada de Psicologia Cognitiva da Universidade de Lyon.

 

Como isso acontece

Pesquisadores manipularam a transmissão dopaminérgica de 27 pessoas enquanto ouviam música. Em três sessões diferentes, separadas por uma semana, os peritos deram para cada participante um precursor da dopamina (levodopa, que aumenta a disponibilidade dopaminérgica), um antagonista da dopamina (risperidona, para reduzir a sinalização dopaminérgica) e placebo (lactose, um controle). Os estudiosos descobriram que a risperidona prejudica a capacidade dos participantes sentirem prazer musical, mas a levodopa melhora.

Eles descobriram, ainda, que os participantes estavam dispostos a gastar mais dinheiro com a levodopa precursora da dopamina do que com a risperidona antagonista da dopamina, indicando que eles estavam mais motivados a ouvir a música novamente quando a transmissão dopaminérgica era elevada do que quando era bloqueada.

Quer se aprofundar mais na área? A Especialização em Neurociências da EEP atrai profissionais da área da saúde, como médicos, enfermeiros e terapeutas, que lidam com doenças neurológicas e pretendem ampliar seus conhecimentos no assunto, e também profissionais das áreas básicas científicas que queiram enveredar por projetos na área neurocientífica.

O curso visa oferecer aos participantes amplo conhecimento das Neurociências, desde conceitos neurocientíficos básicos, até aspectos avançados de processos cognitivos e mentais, o que passa pela metodologia científica, neurociências aplicadas, estatística e redação científica.